CLAUDIA DIAS

COACH PARA DESENVOLVIMENTO PESSOAL E AUTOCONHECIMENTO

Como identificar a autossabotagem e como parar de se sabotar

Sabotar é o mesmo que prejudicar algo ou alguém. Autossabotagem, portanto, é sabotar a si mesmo. É quando você deixa de fazer o que tem de fazer ou o que se propôs a fazer.

O que acontece é que às vezes a pessoa sequer percebe que está se sabotando. A autossabotagem pode começar de forma sutil, com um simples empecilho para não ter de cumprir alguma meta ou realizar determinada tarefa.

Com o tempo, a autossabotagem pode se enraizar na vida de uma pessoa ao ponto de levá-la ao tal do fundo do poço. Mas então, como identificar a autossabotagem e o que fazer para evitá-la? É sobre isso que vamos falar neste artigo. Boa leitura!

Como identificar a autossabotagem?

De acordo com a psicóloga  Ellen Hendriksen, autossabotagem é qualquer ação que atrapalhe sua intenção. Segundo ela, existem inúmeras formas de se autossabotar, como procrastinar, abusar do uso de drogas ou álcool e comer excessivamente.

E esses abusos normalmente acontecem de forma sutil. Uma situação de autossabotagem pode começar com uma dose a mais de bebida todas as noites, por exemplo, e com o adiamento de tarefas importantes simplesmente para maratonar uma série.

A psicóloga destaca que o problema é que, conforme essas ações aumentam, a pessoa pode acabar indo para um poço de autodestruição. E o que leva alguém a se sabotar? Segundo Hendriksen, a raiz da autossabotagem está no medo de fracassar.

Sentimentos do sabotador

Um autossabotador sente que é uma fraude, por isso tem medo de ter sucesso ou de ser revelado. E como ele lida com isso? Procrastinando, buscando formas de não fazer aquilo que se propôs a fazer.

Uma pessoa que se sabota nunca se sente boa o suficiente. Ela tende a focar mais no lado negativo das coisas, a esperar sempre pelo pior e, não só isso: ela tende a preparar-se para o pior.

Essa preparação está ligada à necessidade de ter tudo sob controle. Para um autossabotador, é melhor fracassar e ter controle sobre isso do que deixar a possibilidade de sucesso fluir e, no fim das contas, não conseguir aquilo que desejava. Afinal, a falta de controle sobre o que irá acontecer nos deixa vulneráveis.

Medo de fracassar 

Quando uma pessoa não passa em um concurso público, por exemplo, ela pode se consolar dizendo: “claro que não passei, eu mal estudei”. Essa resposta rápida pode até ter alguma razão, mas talvez ela esteja mascarando o fato de que a pessoa não estudou o suficiente porque tinha medo de ter de lidar com a possibilidade de se aprofundar nos estudos e não passar. No fundo, pode ser que essa pessoa se sinta incapaz de conseguir tal feito.

Numa situação dessas, portanto, ao invés de se dedicar e estudar, a pessoa simplesmente deixa os estudos de lado porque ela pressupõe que não irá passar no concurso. Essa necessidade de ter controle e esse negativismo são algumas das características da autossabotagem.

Ou seja, é melhor não estudar e, por isso, já saber que não irá passar no concurso, do que se dedicar para estudar, criar expectativas e então ser pego de surpresa no dia em que os resultados saírem.

Lidar com o fracasso é algo tão absurdo que a pessoa desiste no meio do caminho. Para um autossabotador, mais vale fracassar e ter controle sobre o porquê (“não passei porque mal estudei”) do que tentar e depois fracassar.

No fundo, é sobre o medo do desconhecido. Como afirma a psicóloga Hendriksen, por medo, a pessoa acaba serrando o galho da própria árvore onde está sentada.

O que fazer para parar de se sabotar

Primeiro, é importante saber se você realmente está se sabotando ou não. Às vezes, deixamos de fazer algo simplesmente porque aquilo não é bom para nós — e tudo bem se esse for o caso.

Agora, se você percebe que realmente quer fazer aquilo, mas que no fundo não o faz por medo de fracassar, aí pode ser sinal de autossabotagem. Para parar de se sabotar, primeiro é importante saber quem você é e onde você quer chegar, qual seu propósito e quais seus valores.

A partir daí, é preciso reconhecer que não temos controle de tudo o que acontece ao nosso redor. Nem tudo acontecerá da forma como queremos e está tudo bem. Nesse sentido, a flexibilidade é uma aliada, afinal, às vezes precisamos reprogramar a rota.

Outra coisa importante é compreender que falhar faz parte do nosso processo de evolução. De tanto cair e errar, com o tempo vamos nos tornando mais pacientes; e junto com a paciência vem a experiência. O caminho até chegar a essa experiência nem sempre é linear — somos provados o tempo todo. Esperar que as coisas aconteçam sempre da forma como você quer certamente o levará à frustração.

A seguir, eu cito algumas dicas para lhe ajudar a parar de se sabotar:

Não se conforme

Quando você, autossabotador, quiser colocar algum projeto ou qualquer outra coisa em prática, ao invés de guardar aquilo como um segredo a sete chaves, experimente compartilhar suas ideias com alguém.

Conhece a música Apenas mais uma de amor, do Lulu Santos? A letra diz assim: “eu gosto tanto de você que até prefiro esconder. Deixo assim ficar subentendido. Como uma ideia que existe na cabeça e não tem a menor obrigação de acontecer”.

Quando algo está apenas em nossa cabeça, nos sentimos mais confortáveis, afinal, ninguém mais sabe. Se aquilo não se concretizar, apenas nós saberemos. Como diz a música, em outro trecho: “se amanhã não for nada disso caberá só a mim esquecer. O que eu ganho, o que eu perco, ninguém precisa saber”.

Consegue perceber o conformismo? A pessoa diz que gosta tanto de alguém, mas, ao invés de se declarar, de tomar uma atitude, ela se esconde. E por quê? Porque o medo de tentar e ser rejeitado é tão grande que… mais vale não tentar.

Procure se comprometer

Por outro lado, quando comentamos com alguém, acabamos por sair da zona de conforto. Em outras palavras, a gente passa a sentir que devemos fazer algo a respeito, afinal, já abrimos o jogo.

Mas você ainda pode ir além. Além de compartilhar sua ideia, experimente se comprometer. O que você tanto quer é montar uma empresa? Ok, então, experimente criar um produto de sua futura empresa, algo mínimo, e oferecer a alguém que não faça parte do seu convívio. Algo do tipo:

– “Oi, fulano. Quero montar uma empresa de bolsas de crochê. Vou confeccionar uma para te presentear na semana que vem. Depois você pode me dizer o que achou do material?”.

Outro exemplo: Mariana sonha em passar num concurso público, mas tem medo de fracassar. O que ela pode fazer? Bom, ela pode procurar por pessoas que também estão estudando e propor que estudem juntos — seja por videochamada ou pessoalmente, caso se trate de algum conhecido.

Encontre parceiros de compromisso

Aqui, a ideia é se colocar numa situação em que você se sentirá obrigado a dar o próximo passo, afinal, você se comprometeu. Isso funciona principalmente para as pessoas que têm senso de responsabilidade, aquelas que se consideram “pessoas de palavra”.

Ah, e tem um detalhe. Quanto menos intimidade você tiver com a pessoa, melhor, afinal, isso tirará você da zona de conforto. É mais difícil desistir quando nos comprometemos em fazer algo para o amigo de um amigo, por exemplo. Se, ao contrário disso, nos comprometemos com o nosso melhor amigo, a chance de dizermos: “ah, esquece aquilo que eu te disse”, é bem grande.

No caso de alguém que tem uma empresa e quer lançar algo, mas está a ponto de se sabotar, também vale se colocar numa situação em que não poderá desistir, como por exemplo fazendo uma publicação no Instagram, do tipo: “na semana que vem irei lançar o projeto tal, que fala sobre tal coisa”.

Não se trata de fazer algo sem se planejar, mas de buscar formas de sair do campo das ideias e partir para a ação. Para um autossabotador, colocar algo em prática pode ser muito difícil justamente pelo medo de fracassar, por isso, para quem tem esse tipo de comportamento, colocar-se numa situação dessas pode ajudá-lo a não recuar.

Preocupe-se apenas em dar o próximo passo

Nem tudo na vida é sobre chegar lá — sobre conseguir comprar aquela casa dos sonhos, sobre passar no concurso público, sobre finalmente abrir uma empresa. Tem muita coisa boa também no processo, na caminhada para chegar lá.

Pode ser desesperador imaginar-se no cargo dos sonhos e na empresa dos sonhos e então voltar para a realidade e se dar conta de que você está trabalhando com algo que não gosta e, além do mais, está cheio de boletos atrasados para pagar.

Tudo bem-estar com os olhos fixos no topo da escada, mas é preciso lembrar que para chegar lá é preciso dar o primeiro passo.

Para conseguir o que queremos não bastar sonhar; também é preciso agir.

Muitas vezes, o primeiro passo é algo tão simples como se sentar numa cadeira, ligar o computador e começar a pesquisar quais livros e artigos você precisa ler para estudar para aquele concurso público.

Procure se preocupar em dar um passo de cada vez, em estar sempre em movimento, afinal, se você não agir, como é que conseguirá alcançar aquilo que quer? Dedique-se ao que você quer. Foque nisso. Pensar negativo e esperar pelo pior só vai servir para levar você ao caminho oposto do sucesso.

Espero que esse conteúdo o tenha ajudado de alguma forma. Se esse texto fez sentido para você, deixe seu comentário abaixo.

 

Outros artigos que também podem lhe interessar:

Felicidade não é sobre ser, mas sobre estar

O que é resiliência e quais as características de uma pessoa resiliente

O que é Inteligência Emocional?

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Quer receber mais informações?
Cadastre seu e-mail abaixo!

Acesse nosso formulário de contato e se cadastre em nossa comunidade de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal.

últimos posts

Desenvolvimento pessoal: como e por que buscá-lo

Como o otimismo pode ajudar a lidar com o fracasso

Recomeçar a vida: às vezes é preciso desconstruir para reconstruir

O que é e qual a importância do autoconhecimento

Como você enxerga o mundo?

Coach Pessoal, Palestrante Motivacional, Treinadora Comportamental

TELEFONE / WHATSAPP

+55 (11) 9 6621-9683